Potencial

A marca do seu combustível

Blog Potencial

Parceria entre Grupo Potencial e Governo do Paraná permite a pavimentação de estrada na Lapa

Parceria entre Grupo Potencial e Governo do Paraná permite a pavimentação de estrada na Lapa
Governador Beto Richa participa, na Lapa, do lançamento do início das obras de pavimentação da estrada que dá acesso à Usina Potencial Biodiesel, e anuncia novos investimentos do Grupo Potencial. Lapa, 0802/2018. Foto: Orlando Kissner/ANPr

O governador Beto Richa autorizou nesta quinta-feira (08) o início da pavimentação da estrada municipal do Lara, na Lapa, Região Metropolitana de Curitiba. De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), serão asfaltados quatro quilômetros da via, a partir do trevo da BR-476 até a sede da Usina Biodiesel Potencial Biodiesel. O investimento de R$ 13,6 milhões será feito pela empresa em função dos incentivos do Programa Paraná Competitivo.

Richa ressaltou a importância da empresa para a região e o para o Estado. “Hoje, é uma das maiores produtoras de biodiesel do Brasil, gera muitos postos de trabalho, renda e desenvolvimento”, afirmou. Segundo ele, infraestrutura e industrialização devem andar lado a lado.

“Esta obra de pavimentação possibilitará ainda mais investimentos, atraindo novas empresas e a ampliação das atividades da Potencial”, declarou. O governador informou que só por meio do Programa Paraná Competitivo são R$ 43 bilhões de novos investimentos em todo o Estado.

Richa destacou, ainda, a boa parceria com a Prefeitura da Lapa, que resulta em mais recursos para a cidade. Ele falou que entre os próximos investimentos programados para o município estão um abatedouro, a construção do centro de imagens e a duplicação da rodovia. “Graças ao equilíbrio das contas do Estado estamos investindo vigorosamente em todos os municípios do Paraná”, afirmou.

A obra será executada em parceria entre o governo do Estado e a Potencial, que será responsável por financiar o investimento e, em contrapartida, poderá obter abatimentos sobre os créditos futuros do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviço (ICMS). É uma parceria semelhante à firmada com a Klabin, no município Ortigueira, disse o governador.

O diretor presidente do Grupo Potencial, Arnoldo Hammerschmidt, disse que o governo abriu as portas, por meio do Paraná Competitivo, para que o projeto da usina acontecesse. “Fomos a primeira empresa do Paraná Competitivo e, hoje, somos a usina que mais produz e vende no Brasil”, afirmou.

Ele reforçou que essa é mais uma parceria de sucesso para viabilizar uma obra que será fundamental para o incremento nas atividades. “Estamos resolvendo uma das solicitações mais importantes. Com o asfalto, o escoamento da usina será mais rápido e trará mais segurança aos fornecedores, clientes e funcionários”.

O prefeito da Lapa, Paulo César Furiati, disse que a via pavimentada entre o trevo da cidade e a empresa é estrutural e vai contribuir para o crescimento do parque industrial. “A infraestrutura é fundamental para dar condições a novos empreendimentos”, disse, ressaltando que o governador Beto Richa foi o que mais investiu na Lapa. “Só em 2017 foram cerca de R$ 50 milhões”.

OBRA – A conclusão dos serviços está estimada em 24 meses. A empresa responsável foi contratada pela Potencial e cabe ao DER o controle. O projeto inclui ciclovias, arborização e iluminação. “É uma obra que vai beneficiar muito a cidade. Paralelamente a isso estamos negociando outras obras com a concessionária da BR-476 de duplicação no perímetro urbano”, afirmou Richa Filho.

O secretário também informou que o Governo do Paraná investe R$ 2,3 bilhões no programa de recuperação de estradas em todo o Estado. “Só aqui na região do entorno da Lapa será investido R$ 82 milhões”, disse. As rodovias estaduais que passam pela Lapa fazem parte de dois lotes que estão em fase final de licitação.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade o diretor-presidente do grupo Potencial Biodiesel, Arnoldo Hammerschmidt; o vice-prefeito Joacir Gonçalves; presidente da Câmara Municipal, Arthur Vidal; o deputado estadual Elio Rush; deputado federal Luciano Ducci; diretor-geral do Departamento de Estadas de Rodagem, Nelson Leal Júnior; diretor-presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento, Adalberto Netto; diretor-presidente da Caminhos Paraná, José Julião Terbai; prefeito de Contenda, Carlão; diretor de Meio Ambiente da Sanepar, Glauco Requião; diretor comercial da Sanepar, Antônio Belinatti; diretor da Administração dos Portos, Lourenço Fregonese; e a banda da Polícia Militar do Paraná

USINA SERÁ AMPLIADA E VAI GERAR MAIS EMPREGO

Com apoio do programa Paraná Competitivo, a Potencial Biodiesel foi inaugurada em 2012. Agora, a planta da usina está sendo ampliada e vai gerar novos empregos e maior receita de impostos. A Potencial Biodiesel emprega 150 funcionários diretos e já é a terceira maior usina do ramo no Brasil.

Com os investimentos de mais de R$ 300 milhões até 2017, a produção mais que dobrou: dos 171,7 milhões de litros por ano, acordados com o governo, para 382,6 milhões de litros.Em maio deve ser inaugurada uma unidade de refino de glicerina e até julho de 2019, a Potencial Biodiesel planeja aumentar a capacidade de produção para 832,6 milhões de litros de biodiesel.
Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

Indústria automobilística divulga resultados positivos em janeiro

Indústria automobilística divulga resultados positivos em janeiro

Conforme já era esperado, o mês de janeiro de 2018 começou aquecido, de acordo com balanço divulgado pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea, na terça-feira, 6, em São Paulo, SP. O primeiro mês do ano registrou 181,3 mil veículos comercializados, alta de 23,1% sobre as 147,2 mil unidades de igual período do ano passado.

Na análise contra as 212,6 mil unidades vendidas em dezembro de 2017, houve um recuo natural de 14,7%, afinal o último mês costuma ser um dos mais fortes no ano. Para Antonio Megale, presidente da Anfavea, a tendência de crescimento se confirmou nos primeiros dias do ano:

“O resultado de janeiro é muito bom e está dentro da nossa expectativa, pois a base de comparação do primeiro semestre de 2017 é baixa. Crescemos com maior intensidade no segundo semestre e essa tendência permaneceu em 2018, com um ritmo de média diária de vendas 23% superior ao do ano passado. Com a aprovação das reformas, aumento da confiança e um cenário macroeconômico estável, vamos manter a rota do crescimento”.

As exportações encerram os primeiros 31 dias do ano com 47 mil unidades, aumento de 23,6% frente as 38,5 mil do mesmo período de 2017. Contra as 61,1 mil de dezembro houve decréscimo de 23,1%.

A produção também seguiu trajetória de crescimento neste início do ano com 216,8 mil unidades fabricadas, expansão de 24,6% sobre as 174,1 mil de janeiro de 2017. Na análise com dezembro a alta foi de 1,5% na comparação com as 213,7 mil unidades daquele mês.

Caminhões e ônibus

O licenciamento de caminhões somou em janeiro 4,6 mil unidades, aumento de 54,8% sobre as 2,9 mil unidades de janeiro do ano passado e diminuição de 24,9% se defrontado com as 6,1 mil de dezembro.

As exportações de caminhões cresceram 83,1% em janeiro: 1,9 mil produtos foram enviados para outros países no período ante 1,1 mil do primeiro mês de 2017. No comparativo com as 2,1 mil de dezembro a queda foi de 9,2%. Com isso, o desempenho da produção foi de 7,0 mil unidades no mês inaugural deste ano, alta de 57,2% frente as 4,5 mil de janeiro de 2017 e baixa de 5,3% na análise com as 7,4 mil de dezembro.

No segmento de ônibus 848 unidades foram licenciadas em janeiro, expansão de 68,3% quando confrontado com as 504 unidades vendidas em janeiro de 2017. Por outro lado, o resultado ficou 30,5% menor diante das 1,2 mil de dezembro. As exportações no início deste ano ficaram em 539 unidades – aumento de 38,9% contra as 388 negociadas em janeiro de 2017 e diminuição de 32,6% sobre as 800 de dezembro.

A produção de chassis para ônibus subiu 70,1% no balanço do setor: foram 1,8 mil unidades em janeiro deste ano e 1,1 mil no mesmo mês de 2017. Sobre as 1,3 mil de dezembro, houve crescimento de 37,5%.

Máquinas agrícolas e rodoviárias

Na área de máquinas autopropulsadas as vendas no primeiro mês de 2018 ficaram em 1,6 mil unidades, número inferior em 55,8% com relação as 3,6 mil de dezembro passado e menor em 39,1% quando comparado com as 2,6 mil de janeiro de 2017.

A produção atingiu 2,6 mil unidades neste primeiro mês do ano: crescimento de 19,3% ante as 2,2 mil de janeiro do ano passado e ficou estável na análise contra o resultado de dezembro. Em janeiro, 816 unidades atravessaram as fronteiras brasileiras, alta de 92,5% frente as 424 de janeiro de 2017 e queda de 36,6% sobre as 1,3 mil de dezembro último.

Categoria(s): , . | Tag(s): , , .

Ford dá 7 dicas para o transporte seguro de diferentes tipos de carga na picape

Ford dá 7 dicas para o transporte seguro de diferentes tipos de carga na picape

A Ford produz picapes há mais de 100 anos e foi uma das grandes responsáveis pela popularização mundial desses veículos, que nasceram como ferramenta de trabalho e diversificaram seu leque com aplicações que vão desde o uso diário até viagens de lazer e aventura. Com base nessa experiência, criou um guia com sete orientações básicas que ajudam a transportar diferentes tipos de carga com segurança, como os picapeiros profissionais.

O objetivo é proteger tanto a carga como os demais usuários das vias e o próprio veículo, seguindo cuidados na distribuição, fixação e cobertura dos objetos na caçamba. As recomendações estão reunidas em três vídeos curtos, focados no transporte de itens domésticos, ferramentas e equipamentos para pescaria, e nos tópicos abaixo.

1. O peso combinado do motorista, dos passageiros e da carga nunca deve exceder a capacidade de carga útil da picape, mesmo que haja espaços vazios. A sobrecarga pode dificultar o controle do veículo e prejudicar a estabilidade. Para saber a capacidade de carga exata da sua picape, consulte o manual do proprietário.

2. Coloque as cargas mais pesadas na frente da caçamba, perto da cabine, e na altura mais baixa possível. Isso ajuda a manter a dianteira mais pesada e melhora a estabilidade. Materiais de construção como cimento e areia, por exemplo, facilitam a distribuição de peso, diferentemente de móveis e equipamentos que concentram a carga.

3. Os objetos transportados devem respeitar os limites de largura, altura e comprimento permitidos. A carga não pode ultrapassar a largura da caçamba, nem a frente da carroceria. Em alguns casos, parte da carga pode ficar suspensa na traseira, desde que sinalizada para facilitar a visualização e alertar os demais motoristas.

4. Móveis ou eletrodomésticos grandes devem ser transportados com uma boa amarração, de preferência com cintas específicas de fibra sintética. Quando houver mais de um objeto eles devem ser amarrados entre si. O melhor meio de amarração à caçamba é em formato cruzado no topo, para evitar o movimento em todas as direções.

5. Dê atenção especial às cargas pequenas, que não devem ficar soltas. Coloque os itens menores em caixas e proteja malas com redes de náilon ou poliéster, fixadas nos ganchos laterais. Além de resistentes, elas são leves e fáceis de guardar.

6. Ao levar itens frágeis como papel de parede, tapetes ou painéis de madeira, que podem se molhar e sofrer danos durante a viagem, uma boa opção é protegê-los com plástico-bolha ou filme plástico.

7. Protetor de caçamba e capota marítima são acessórios nos quais vale a pena investir e facilitam o transporte de vários tipos de carga, desde que tenham as dimensões corretas para a sua caçamba e utilizem os pontos de ancoragem recomendados. Algumas capotas contam com elásticos ou cintas para fixação. Em caçambas com três pontos de afivelamento deve-se usar sempre os da frente, próximos da cabine, e pelo menos mais um (do centro ou de trás).

Fonte: SEGS

Categoria(s): . | Tag(s): , , , , .

Legislativo deverá definir as normas de segurança para fabricação de veículos

Legislativo deverá definir as normas de segurança para fabricação de veículos

O Poder Legislativo poderá ter papel determinante na definição das normas e requisitos de segurança para fabricação e montagem de veículos. A mudança está prevista no Projeto de Lei do Senado (PLS) 263/2015, que aguarda votação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/1997) para dar ao Legislativo maior responsabilidade na emissão de normas que criem novas obrigações para o cidadão quanto à segurança veicular.

Para o autor do projeto, senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), o objetivo da iniciativa é restabelecer a competência normativa inicial do Legislativo relacionada ao trânsito. De acordo com o senador, esse papel normativo tem sido indevidamente delegado ao Poder Executivo, por meio das resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

“Tais resoluções são quase sempre conflitantes, confundindo fabricantes, proprietários e motoristas, em prejuízo da segurança jurídica, inafastável nos estados democráticos de direito”, argumenta o senador na justificativa da proposta.

Adequação

A transferência da função normativa para o Contran e os outros órgãos estaduais de trânsito ocorreu, segundo Caiado, por conta do dever de responder com rapidez aos “crescentes desafios do setor, decorrentes, sobretudo, da evolução do mercado e do aumento do tráfego nos grandes centros”. Contudo, ele argumenta que pela Constituição apenas o Poder Legislativo está apto para inovar a ordem jurídica por meio da criação de novos direitos e obrigações.

A relatora na CCJ, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), foi favorável à matéria e concordou que o PLS é uma forma de corrigir uma inconstitucionalidade. Para ela, novas obrigações de trânsito não podem ser impostas sem levar em conta o impacto jurídico e financeiro na vida das pessoas.

“Os cidadãos não podem ser surpreendidos por novas exigências impostas por mero regulamento, especialmente quando se referem à obrigação de fazer, que só pode ser imposta por lei”, afirma Simone Tebet em seu relatório.

Competências

O projeto modifica algumas competências do órgão máximo executivo de trânsito da União, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Ele determina que as normas para fabricação de veículos devem ser elaboradas pelo órgão, submetidas ao Contran e em seguida enviadas para a análise do Congresso Nacional.

Pelo texto, caberá ainda ao Denatran estudar os casos que não estão previstos na legislação de trânsito e submetê-los à autoridade competente do Poder Executivo para que esta proponha ao Legislativo a solução adequada.

O projeto será votado em caráter terminativo na CCJ, portanto, caso seja aprovado e não houver recursos para deliberação em Plenário, a proposta seguirá para a análise da Câmara dos Deputados.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

Categoria(s): . | Tag(s): , , , .

Uma empresa do Grupo Potencial.